domingo, 4 de maio de 2014

Congresso «Augustus appellatus sum: tradição, ruptura e memória»

 Imperator Caesar Divi F. Augustus
(23.setembro.64 a.C. - 19.agosto.14 d.C)

«6 a 9 de Maio – Congresso internacional assinala os 2000 anos sobre a morte de Augusto, aproveitando a efeméride para discutir a sua obra e os seus reflexos na actualidade.

O Centro de História da Cultura (CHC) da FCSH/NOVA organiza, de 6 a 9 de Maio, o congresso internacional “Augustus appellatus sum: tradição, ruptura e memória”. Serve este para assinalar os 2000 anos sobre a morte de Augusto, um protagonista da História de Roma destruidor e fundador de regimes políticos, mestre da propaganda, transformador directo e indirecto do sistema social e económico, patrono das artes e das letras. O seu legado, criado ao longo de cerca de meio século de governo, subsistiu muito para além do desaparecimento do homem que o construiu.

O evento resulta de uma colaboração do CHC com o Instituto de Arqueologia e Paleociências (IAP) e o Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT), centros de investigação da FCSH/NOVA.

O congresso insere-se num grupo de actividades mais vastas, em Portugal e em Espanha, denominado “DIVVS AVGVSTVS. Comemorações do Bimilenário da Morte de Augusto”, promovido pela Associação Portuguesa de Estudos Clássicos (APEC) e pela Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC) e que conta como entidades associadas com as seguintes instituições: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra (CECHUC); Centro de História da Cultura da Universidade NOVA de Lisboa (CHC); Instituto de Arqueologia e Paleociências da Universidade NOVA de Lisboa (IAP); Instituto de Estudos de Literatura Tradicional da Universidade NOVA de Lisboa (IELT); Museo Nacional de Arte Romano (MNAR), em Mérida (Espanha); e Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), em Braga.

O congresso internacional “Augustus appellatus sum: tradição, ruptura e memória” decorrerá de 6 a 9 de Maio no Auditório 1 da FCSH/NOVA e inclui actividades culturais como uma visita ao Museu de Odrinhas.

.

Sem comentários:

Enviar um comentário